quarta-feira, 28 de novembro de 2007

BINÔMIO DE NEWTON (parte3/3)

Nhambiquaras

Outro dia, ao cruzar a Cinelândia, reencontrei Ramiro, o gênio capaz de uma Capela Sistina ou de uma Teoria da Relatividade.
Não mudara quase nada, aquela cara trigonométrica e proparoxítona. Engenheiro suma cum laudae da turma de 1966, adquirira grande experiência construindo túneis e viadutos e trabalhou, depois, na construção da... ponte Rio-Niterói. Bingo! Eu, lá atrás, entendia alguma coisa de futuro...

- Diga-me, indaguei, você usou os conhecimentos do professor Kakaze, os 1.512.000 agrupamentos, o cálculo das probabilidades e a distribuição de Gauss?

- Não, nada disso foi necessário.

A obra havia dispensado a parte mateológica da sua inexcedível competência. Usara apenas ferragem, cimento, brita um, brita dois, brita três, tabelas, ábacos, thumb rules...


- O quê?

- Thumb rules.


- Pombas!
Regras Práticas ou "Chutes" Educados

Terminada a ponte, Ramiro engajou-se no desenvolvimento de campos de petróleo nas costas britânicas do Mar do Norte. Assentamento de plataformas e construção de sistemas flutuantes de produção, projetos que se justificam quando os preços do petróleo estão elevados, como agora.

- Está de férias?, perguntei-lhe, já em tom de despedida.

- Não, voltei de vez. Estou desempregado, mas decidido a conseguir uma ocupação sem grandes tardanças. Concorri ao cargo de engenheiro de manutenção numa fábrica de computadores em Maria da Graça, mas fui recusado no teste. Não soube responder o nome que se dá à unidade de elastância.

- É daraf, comentei. O daraf é o inverso do farad, que, por sua vez, é a unidade prática de capacitância.

- Estou, porém, na iminência de conseguir um emprego de oito salários mínimos, mais sobreaviso e periculosidade, numa hidrelétrica no norte de Mato Grosso, junto da reserva indígena dos nhambiquaras. Uma passagem de avião por ano, ida e volta, para visitar o Rio de Janeiro. Vou usar toda a minha experiência na construção de barragens, sem nenhuma agressão ao meio ambiente ou ao
s processos ecológicos essenciais.

nhambiquaras

Profissionais de mercado

Não consigo imaginar o Ramiro senão brilhando, o giz em riste, sob os aplausos entusiasmados do professor Kakaze.
Mas essa questão dos nhambiquaras me desconcertou, desestabilizando as minhas memórias. Dos quais, nhambiquaras, sei apenas que gostam de aaru, que é um bolo no qual se misturam carne de tatu e farinha de mandioca.

- Meu caro pitecantropo, o binômio de Newton é até citado nas poesias do Fernando Pessoa.

Será que o Ramiro brilhava mesmo ou não passava de uma das minhas fantasias? Raiz de dois e raiz de três, isso existe de fato na teoria dos logaritmos? O professor Kakaze citou realmente o Fernando Pessoa?
Veio então a idéia. É verdade que eu nunca dera importância à poesia e conhecia, se tanto, o Mal Secreto e alguns trechos bem condoreiros do Navio Negreiro. Seja como for, fui à livraria e comprei as obras completas de Fernando Pessoa, o poeta que, em sonhos, sonhos criou. Logo na introdução, fiquei sabendo que foi um homem do comércio, autor de textos para dirigentes de empresas, publicados na Revista de Comércio e Contabilidade, de Lisboa, e de uma vasta Teoria e Prática do Comércio.

- Um profissional de mercado, exatamente como eu!


Li toda obra e encontrei o poema em Álvaro de Campos:



“O Binômio de Newton é tão belo como a Vênus de Milo.
O que há é pouca gente para dar por isso.
óóóó óóóóóó óó óóóóóóó óóóóóóó (O vento lá fora.)”


Players e observadores

Um exemplo de player: Vittorio Gassman, o homem que desfrutou o doce arroz amargo... Outros players: Costa e Silva, Rembrandt e Ramiro. Eles entendem de álgebras e metáforas e movem a história, para o bem ou para o mal, êxito ou infortúnio. Tentei ser player também, mas não passei de observador. Resta-me o consolo de que, sem observadores, este universo não faria nenhum sentido.

(Fim)

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

BINÔMIO DE NEWTON (parte 2/3)

Maná

Qualquer pessoa normal entende a lógica da contabilidade, pois o grande Luca Paciolo, criador das partidas dobradas, era um homem positivamente menos complicado do que o professor Kakaze. A terminologia é simples e direta. Não se cogita de logaritmo, nem de derivada, mas do ativo disponível. O passivo circulante ocupa o lugar das equações trigonométricas e das integrais indefinidas, e não há espaço para inequações de nenhuma natureza, sendo certo, com justa razão, que os dois pratos da balança deverão permanecer em rigorosa paridade. Basta ter um pouco de organização, para não misturar informações, e de paciência, para consultar tabelas, como quem vai ao dicionário. Ah, vale também um pouco de bom senso, para nunca somar o que deve ser subtraído, cometendo nessa inversão um erro multiplicado por dois.
Logo percebi que a atividade estava a meu alcance e, incapaz de viver das palavras cruzadas, decidi trabalhar como contador. Botei banca de guarda-livros, apenas ciente dos prolegômenos contábeis, e nesse mister, entre borradores e diários, muito me valeu o aforismo de Sparafucile de Pococô:

- O dinheiro é bolsípeto, pois, se sair de um bolso, entra necessariamente em outro bolso.

No início faturava pouco, cobrando um salário mínimo por cliente. Depois, perdida a inocência, passei a impor honorários cada vez mais elevados, certo de que os clientes não teriam como opor resistência. Impor o preço, na cartilha dos bem-sucedidos, implica um decisivo salto de qualidade...


Bolsa de Valores do Rio de Janeiro

Por fim, entrei para a classe dos milionários de gabinete, quando gloriosamente me pus a especular na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, à sombra da Comissão de Valores Mobiliários, estimulado pela Fazenda, aplaudido, e muito, pelo Planejamento e conven
ientemente documentado pela Associação Nacional dos Analistas dos Mercados de Capitais. Ah, nunca me esqueça de dizer que naquela época tudo o que se amealhava nesse mercado gozava de isenção do imposto de renda. Um incentivo providencial, muito justo e conveniente...
Minha técnica era a de adquirir barato, e a termo, na adinamia do mercado, e enfiar caro, e à vista, nas fases de euforia. Em outras palavras, comprar quando todos queriam vender e vender quando decidiam voltar às compras - a ambição de violar princípios termodinâmicos e criar o moto contínuo de primeira espécie. Quem não se lembra de 1971, quando as pessoas trocavam suas casas por ações? O Plano Cruzado, esquecer quem há de?

- Eu, na outra ponta, vendia ações a mancheias...

Se é verdade que se pode perder muito (ou, o que dá no mesmo, ganhar milhões num dia e vê-los desaparecer no dia seguinte), o esperto geralmente se dá bem, muito bem, pois a Bolsa, convenientemente utilizada, pode ensejar um retorno muito superior ao esforço despendido. Um jogo desproporcional, desequilibrado, a favor dos... equipados. Engana-se o cruzadista que conservar, cá fora do diagrama, a impressão de que maná é apenas o alimento que Deus mandou em forma de chuva para socorro dos israelitas no deserto...
Assim foi. Consumado o êxito das minhas especulações, desapareci completamente dos pregões, pois especular é atividade de gente pobre. Ou melhor, de gente ainda pobre.

Comprei um apartamento de três andares, mais cobertura, na Avenida Vieira Souto, uma ilha em Cabo Frio e uma centena de salas nos melhores edifícios da Avenida Rio Branco. Passei a acionista majoritário de algumas empresas sólidas e rentáveis, engajadas em negócios de fertilizantes, bebidas e metalurgia, que meus prepostos administram com redobrado zelo e eficiência, na pressuposição e temor de que posso demiti-los a qualquer momento.

Arroz doce


Do meu escritório, de frente para o pôster de Silvana Mangano, molhada de 18 anos, contemplo com nostalgia a obra de 13 quilômetros à qual não tive acesso, eis o meu fracasso mais retumbante. Não me despojarei, porém, do mérito de tê-las antevisto, tamanhas, nas minhas premonições de adolescente...
(continua)

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

BINÔMIO DE NEWTON (parte 1/3)

A ponte

Hoje tenho por melhor exercício divagar sobre acontecimentos afastados no tempo, pois o passado é a minha matéria. Mais ou menos na linha do doutor Pedro Nava, para quem o futuro
é somente uma expectativa da nossa experiência, sujeita a todos os riscos, e o presente não tem dimensão, sendo apenas este ponto da trajetória, que já passou, nem sei se você percebeu.

- Só o passado existe como realidade objetiva.

Eu era obrigado a seguir para Araruama nos fins de semana, pois na minha família criança não tinha voz, nem vez. Eram horas intermináveis na fila das barcas, até chegar o momento de embarcar o carro e transpor a baía. Imaginei a ponte imensa e, dos seus numerosos profetas, fui dos poucos que tiveram a ambição de construí-la.

Curso preparatório

Do pensamento à ação, cheguei a freqüentar um curso preparatório para o vestibular de engenharia, no longínquo ano de 1960. Meus planos esbarraram, porém, nos obstáculos que o professor Kakaze ia depondo à minha frente. Lembro-me muito bem da satisfação que lhe proporcionavam os seus teoremas e dos problemas que costumava propor, a todo instante, para testar os conhecimentos daquela turma de principiantes. Que só faziam revelar a minha inaptidão e aumentar a minha angústia. Pobre de mim!

Dia importante, nessa fase de ensaio e muito erro, foi o da questão que se colocou para sempre no epicentro das minhas frustrações:

- Utilizando dez consoantes e cinco vogais, quantos agrupamentos de quatro consoantes e duas vogais distintas podem ser formados?

Tremi, perplexo, sem saber como enfrentar o desafio. O Ramiro, lá na primeira fila, levantou-se rapidamente com o resultado:


- 1.512.000 agrupamentos.


Não me contive:

- Então, professor, isso é necessário?

- Certamente, meu caro pitecantropo. Passaremos da análise combinatória ao binômio de Newton, que, de tão importante, é citado até nas poesias do Fernando Pessoa. Depois estudaremos o cálculo das probabilidades e a distribuição de Gauss. A qual há de ser sempre
campanular, você sabia? Sem a distribuição de Gauss não se enriquece o urânio, não se gera, não se transmite e não se distribui eletricidade, não se constroem as grandes estruturas, como o Maracanã, nem os canhões necessários à segurança nacional.

- Nem a ponte Rio-Niterói?

-Nem a ponte Rio-Niterói, ora se!


Voltei para casa cheio de desalento. Sem a distribuição de Gauss, não havia nenhuma salvação. Além disso, 1.512.000 agrupamentos!
Algumas semanas ainda insisti, impotente e desamparado, na luta desigual com integrais e polinômios. O desenlace entre mim e a engenharia, cada vez mais inevitável, consumou-se no dia 8 de junho de 1960, quando o Kakaze indagou pelo logaritmo, na base raiz de dois, do logaritmo de 81, na base raiz de três. Um pesadelo dentro do pesadelo. Enquanto o Ramiro dava, lá na frente, o seu espetáculo de competência, escapuli sorrateiramente e, desatinado como um ícaro que percebe a ruína das suas ambições impossíveis, abandonei a engenharia, em caráter irrevogável e irretratável. Não obstante a ponte Rio-Niterói.

Gênios

Cervantes escreveu o “Dom Quixote”, Rembrandt pintou a “Ronda Noturna”, e Einstein, mesmo assoberbado na seção de patentes de Berna, explicou o movimento browniano, entendeu a natureza dual da luz, a um só tempo partícula e onda, e formulou a desconcertante Teoria da Relatividade.

Ronda Noturna

Com certeza se dirá que foram gênios, e eu, óbvio que seja, muito modestamente acrescento: pessoas dotadas de extraordinária aptidão e avassaladora força de vontade.
Exatamente assim eu via o Ramiro, a quem estava reservado o privilégio das grandes edificações, incluindo, quem sabe, a ponte Rio-Niterói. Cervantes, Rembrandt e Einstein, lá atrás, gênios indisputáveis. Ramiro, cá na frente, na condição de expectativa da minha experiência, era um gênio em plena e decidida elaboração.
Eu, que não sou gênio por falta de talento e até mesmo por falta de vontade, estou sempre resolvendo problemas de palavras cruzadas. Não sei explicar por quê. Imagino que a atividade esteja relacionada com a solidão, tratando-se de empreendimento que não carece de parceiros, nem de testemunhas. Quando depôs sobre os anos de chumbo, Ernesto Geisel atribuiu ao general Costa e Silva o apego excessivo às palavras cruzadas. Posso imaginar o general, entre um e outro ato institucional, fazendo a invocação mística dos hindus com a luz que emana da ponta dos dedos e colocando o demônio tibetano no inferno dos malês antes da antepenúltima hora canônica. Indizível solidão...
(continua)

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

Fomos rebatidos para a periferia

Para Aristóteles a Terra era o centro do Universo e lugar natural de todas as coisas, uma concepção que deu origem ao chamado sistema geocêntrico, de Ptolomeu: o homem, privilegiado por Deus, estava no centro e tudo girava a seu redor. A Igreja assumiu essa idéia, e quem discordasse poderia ser castigado, como aconteceu com Giordano Bruno, lançado à fogueira em 1600. Veio depois a teoria heliocêntrica de Copérnico, e a Terra foi rebatida para a periferia do Universo, a girar em torno do Sol, que é uma de mais de cem bilhões de estrelas da Via Láctea, que, por sua vez, é uma de mais de cem bilhões de galáxias, dentro de um Universo criado numa explosão que ocorreu há 15 bilhões de anos, a evoluir em permanente e decidida expansão.

Gravitação e relatividade

Com essa concepção de que a Terra não era um ponto fixo no centro do Universo, tornou-se necessária uma revisão das leis relacionadas com o movimento dos corpos, o que levou ao conceito de gravitação universal. A lei da gravitação universal é a mais conhecida das leis físicas, tendo sido formulada por Isaac Newton a partir dos estudos sobre inércia feitos por Galileu e das leis planetárias de Kepler, válida não somente para a Terra e o Sistema Solar, como para todo o Universo e seus trilhões de estrelas:

Tudo se passa como se matéria atraísse matéria, na razão direta das massas e na razão inversa do quadrado das distâncias.

A lei da gravitação caracteriza um modelo recorrente da Natureza, bastando ver na Eletrostática que, pela lei de Coulomb, a força entre dois objetos carregados eletricamente está na razão direta de suas cargas e, igualmente, na razão inversa do quadrado das distâncias.

- E o que diz a teoria da relatividade geral?

- A relatividade geral postula que, em verdade, matéria não “atrai” matéria. O que a matéria faz é deformar o espaço, que, assim deformado, determina o caminho a ser perseguido pela matéria. Tanto que um raio de luz é atraído pelo Sol, bastando afirmar que uma estrela cuja luz tangencia o Sol, durante os seus eclipses, parece estar deslocada do lugar onde é vista nas suas condições habituais.

- Como fica a lei da gravitação universal, de Newton, em face da teoria da relatividade?

- Continua válida, com a restrição de que não se pode dizer que matéria "atrai" matéria. E sim que matéria "parece atrair" matéria, o que se explica pela deformação que provoca no espaço.


sexta-feira, 14 de setembro de 2007

A METÁFORA DO JOGO DE XADREZ

ENTENDENDO A NATUREZA

Thomas Henry Huxley, médico e cientista inglês, chamado de "Buldogue de Darwin", e Richard Feynman, que muitos consideram o maior físico da história dos Estados Unidos, usaram o jogo de xadrez como imagem da realidade natural. É que não temos outro recurso senão o de jogar o jogo antes de entendê-lo, o que significa errar muitas vezes antes de acertar.

Thomas Henry Huxley (1825-1895)

Charles Darwin formulou a Teoria da Evolução
entre 1836 e 1858: as espécies evoluem mediante processos naturais, a partir de algumas poucas formas primitivas simples, quem sabe a partir de uma única forma. Quando suas idéias se tornaram conhecidas, foram combatidas pelos religiosos vitorianos, gerando uma controvérsia que culminou com um debate, diante de um público de 800 pessoas, na Universidade de Oxford, em 30 de junho de 1860.
Nesse debate, os ortodoxos foram representados pelo Rev
erendo Samuel Wilberforce, Bispo de Oxford, e Charles Darwin, por Thomas Huxley.


Huxley

"O tabuleiro de xadrez é o mundo, as peças são os fenômenos do Universo, as regras do jogo são o que convencionamos chamar de as leis da Natureza. O jogador do outro lado está oculto para nós. Sabemos que seu jogo é sempre limpo, justo e paciente. Mas também sabemos, pela nossa experiência, que ele nunca perdoa um erro, nem faz a menor concessão à ignorância."

("A Liberal Education", 1868)


Richard Feynman (1918-1988)

Richard Fe
ynman, recebedor do Prêmio Nobel de Física de 1965, notabilizou-se por ter criado a Eletrodinâmica Quântica e por trabalhos importantes sobre interações fracas, trabalhos sobre interações fortes e trabalhos sobre a superfluidez do hélio líquido. Exímio professor, foi o criador do "diagrama de Feynman".
Passou uma temporada no Brasil, onde, tocando tamborim com maestria
no bloco carnavalesco Inocentes de Copacabana, foi campeão do carnaval em 1952.


Richard Feynman

"Podemos imaginar que esse arranjo de coisas móveis que constitui o mundo seja algo como uma grande partida de xadrez jogada pelos deuses, e nós somos os observadores do jogo. Não conhecemos as regras, e tudo que podemos fazer é observá-lo. É claro que, se insistirmos na observação, acabaremos captando algumas das regras, e estas formam a física fundamental. Quando conhecermos todas as regras, estaremos "entendendo" o mundo."

("Feynman Lectures on Physics", 1963)

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

LUDWIG BOLTZMANN (1844-1906)

Outra equação no túmulo

Até o início do século XX os físicos dividiam-se em mecanicistas, que acreditavam ser possível explicar os fenômenos pelos movimentos dos átomos e moléculas, impondo à natureza um comportamento estatístico, e os energistas, que defendiam serem os fenômenos uma conseqüência das trocas de energia.


- Não existe esse negócio de átomos, diziam os energistas.

Ludwig Boltzmann, que foi professor das universidades de Graz, Viena, Munique e Leipzig, tornou-se o mais ativo mecanicista, insistindo em explicar os fenômenos macroscópicos (pressão, temperatura etc) pelas interações entre átomos e moléculas, no seu constante movimento.
A maioria dos físicos, até mesmo Ernest Mach e Wilhelm Ostwald, que eram seus colegas de universidade, rejeitavam essa concepção, sem querer aceitar a existência real dos átomos e moléculas. Ernest Mach escreveu:


- Os átomos
são objetos do pensamento, que não podem ser percebidos pelos sentidos.

Boltzmann manteve uma interminável disputa com o editor da publicação científica mais importante da Alemanha, que não admitia nos textos a serem publicados a consideração de átomos e moléculas como entidades reais, senão como constructos mentais.
Teve, porém, o apoio de Maxwell, na Escócia, e de Gibbs, nos Estados Unidos, e de grande parte dos químicos, que a esta altura já estavam cientes da teoria atômica de John Dalton.

Suicídio

Em 1906, quando passava férias na Baía de Druino, perto de Trieste, Boltzmann se enforcou. Não se sabe se as acirradas disputas científicas que ainda o acompanhavam pesaram para esse trágico desfecho, sendo certo, porém, que Boltzmann tinha uma natureza muito depressiva.


No túmulo



Boltzmann definiu a entropia de forma geral e inequívoca em termos mecânicos, a partir da teoria cinética dos gases. As equações correspondentes são muito complicadas, mas a teoria de Boltzmann foi aceita pouco depois de sua morte, quando medidas de J. Perrin, em 1908, mostraram a insofismável existência e o movimento dos átomos e moléculas. No túmulo de Boltzmann, no Cemitério Central de Viena, encontra-se gravada a equação correspondente às suas idéias:

S = k log W

sexta-feira, 31 de agosto de 2007

WOLFGANG PAULI

Pintar o teto da Capela Sistina

Desde 1897, quando o elétron foi descoberto pelo britânico Joseph John Thomson (1856-1940), os cientistas foram paulatinamente revelando a existência de outras partículas subatômicas, entre elas as que entram na constituição dos átomos, como, além dos elétrons, os prótons e nêutrons (os prótons e os nêutrons são partículas compostas de quarks), as que são produzidas por processos radioativos e de espalhamento, como os fótons e múons, bem como uma larga quantidade de partículas exóticas.


Wolfgang Pauli


Glória e façanha é pintar o teto da Capela Sistina, compor uma sinfonia de Mahler, como também (por que não?) descobrir uma partícula subatômica por meio das quatro operações aritméticas. Foi o que fez o austríaco Wolfgang Pauli (1900-1958), Prêmio Nobel de Física, de 1945: ao observar o que acontece quando um nêutron se desdobra num próton e num elétron, no fenômeno conhecido como decaimento beta, Pauli calculou que havia uma diferença entre a energia das partículas, antes e depois do desdobramento, e para explicá-la postulou, em 1930, a existência de uma partícula que não pode ser percebida, por ter massa insignificante e carga elétrica nula, que tudo atravessa e que não interfere com nada.

- Somos constantemente atravessados por ela, em quantidades avassaladoras e à velocidade da luz.

- Não seria essa partícula fantasmal uma metáfora matemática, considerando que ninguém teve, ainda, o privilégio de vê-la, nem de senti-la?

Pauli confiava nos princípios da Física.

- Ela existe. Se não existir, estará violado o princípio da conservação da energia.

Foi o físico italiano Enrico Fermi que propôs dar a essa partícula o nome afetuoso de neutrino (neutronzinho), em virtude da sua neutralidade excepcional.


Uma confirmação

Em 1956 os físicos Clyde Cowan, Frederick Reines, F. B. Harrison, H. W. Kruse e A. D. McGuire detetaram o neutrino no reator Hanford, em Washington, o que foi comunicado pela publicação, na revista Science, do artigo "Deteção do neutrino livre: uma confirmação".

- O neutrino é o triunfo do sutil, conformou-se o astrofísico francês Michel Cassé.


Um toureiro, vá lá...

Há cientistas que têm o hábito de desdenhar dos profissionais de outras áreas. O físico Ernest Rutherford (1871-1937) disse certa vez:

- Ciência é Física. O resto, coleção de selos.

Só por ironia Rutherford, que era um brilhante experimentador, ganhou o Prêmio Nobel de Química, em 1908. Não o de Física, mas o de Química!
Wolfgang Pauli, o gênio capaz de uma Capela Sistina, ou melhor, de descobrir partículas fazendo continhas, pautava-se por sentimentos análogos aos de Rutherford em relação aos outros cientistas. Até nas suas desilusões amorosas.
Ao saber que sua esposa, Käthe Margarethe Deppner, o trocara por um químico, reagiu com as seguintes palavras:

- Se ela tivesse escolhido um toureiro, tudo bem. Mas, um químico... Não posso entender!

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

KANT E A CIÊNCIA

Teoria dos Céus

Imannuel Kant (1724 - 1804) confessou que duas coisas enchiam seu espírito de admiração e reverência: “o céu estrelado acima de mim” e “a lei moral dentro de mim”.
Para entender o céu estrelado, Kant estudou o livro de Isaac Newton, "Princípios Matemáticos da Filosofia Natural", e publicou, aos 31 anos, uma obra audaciosa e de título complicado, “História Natural Universal e Teoria dos Céus, Ou um Ensaio sobre a Constituição e Origem Mecânica de Todo o Universo Tratada Segundo os Princípios de Newton”, mais conhecida por “Teoria dos Céus”.
Trata-se de um livro, de 1755, contendo importantes intuições cosmológicas. Entre elas, a de que a Via Láctea seria apenas uma entre uma infinidade de galáxias, cada uma com uma grande quantidade de estrelas e de sistemas solares.


O Grande Debate


Muitos astrônomos, como William Herschel
(1738–1822), acreditavam que a Via Láctea era a única aglomeração de estrelas do Universo. Defendiam que as nebulosas eram estrelas jovens dentro da Via Láctea, ao passo que os alinhados com Kant defendiam que essas nebulosas eram outras galáxias, situadas para além da Via Láctea.
A Academia Nacional de Ciências de Washington organizou em abril de 1920 um debate entre as duas correntes, que, ao fim e ao cabo, era na verdade uma discussão sobre o lugar da humanidade dentro do Cosmos. A galáxia única foi defendida pelos astrônomos do Observatório de Monte Wilson, representados por Harlow Shapley, enquanto a tese de que as nebulosas eram galáxias independentes foi defendida pelo experiente astrônomo Heber Curtis.

O Grande Debate pouco acrescentou, pois faltavam dados observacionais que ajudassem a decidir sobre a questão. Alguns astrônomos, pessimistas, chegaram a admitir que essa questão não seria jamais esclarecida, por situar-se numa fronteira indecidível, onde “o intelecto humano começa a falhar". Erro comparável, em contexto equivalente, ao de Augusto Comte
, que manifestou em seu Curso de Filosofia Positiva a opinião de que nunca seríamos capazes de estudar a estrutura química e mineralógica das estrelas.

A vitória de Kant


Em 4 de outubro de 1923, Edwin Hubble, com seu telescópio de 2,5 metros de diâmetro, descobriu na nebulosa de Andrômedra uma cefeida sete mil vezes mais luminosa do que o Sol e, pela técnica desenvolvida por Henrietta Leavitt, aquela do “Harém de Pickering”, concluiu que essa estrela estava a 900 mil anos-luz da Terra.
Ou seja, a cefeida de Andrômeda estava fora da Via Láctea, que tem de ponta a ponta não mais que 100 mil anos-luz.
A nebulosa de Andrômedra e outras nebulosas constituíam, pois, outras galáxias.
Hubble só anunciou sua descoberta na reunião de 1924 da Associação Americana para o progresso da Ciência.

Gol de Placa

A intuição de Kant estava, pois, correta: o Universo não se restringe à Via Láctea, formado que é por cerca de 100 bilhões de galáxias, cada uma com cerca de 100 bilhões de estrelas, sendo a mais próxima do Sol a estrela Alfa da constelação de Centauro, que dista do Sol quatro anos-luz, cerca de 38 trilhões de quilômetros.

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

REUNIÕES ELEGANTES


O CASO DO DENTISTA

Todo o tempo eu me senti numa Roma, de Fellini, e não estranharia nem um pouco se Fiona Florence e Mastroianni irrompessem abraçados na sala imensa. Começou com Angelina, que declamou a poesia “Congresso no Polígono das Secas (ritmo senador; sotaque sulista)”, de João Cabral de Melo Neto. Depois, um torneio de mágicas, muito divertido e interessante.
O melhor veio, porém, quando se fez um sorteio para ver quem iria propor
um enigma relacionado com Shakespeare e suas personagens, sendo certo que todos ali estavam com suas histórias muito bem preparadas. Assim se divertem os intelectuais...
Eu não tinha história nenhuma, nem me incluíram no sorteio, pois ali me achava quase na condição de penetra.


Cartas

A sorteada foi uma escritora chamada Alice Ben-dov. Vou tentar reproduzir a história que ela contou, sobre um dentista do Leblon, cujo um dia recebeu uma carta anônima para lá de esquisita:

“Silvestre, você não passa de um dentista idiota, pois ignora sua própria história. Se desejar conhecê-la, almoce amanhã no Humphrey’s, exatamente à uma. Como você está familiarizado com Shakespeare, se olhar para baixo, saberá o porquê...


Tiago Lessone.”


Eis o que Silvestre pensou dessa carta:

“Sou idiota, como não, e muito obrigado por manifestar sua abalizada opinião. Ignoro a minha história? Almoçar à uma, no Humphrey’s? Ora, pois! Como conheço Shakespeare, só por isso, basta olhar para baixo... Para ver a rua?
Constatar o quê? Muito barulho por nada? Alguma Sorveteria do Hamlet, com picolés da Dinamarca, um Mercador de Bugigangas Importadas, ou o Rei Lear, com seus bolinhos de bacalhau e geladeiras de segunda mão?
Ou será a jaqueira do nosso playground?
Peço-lhe, querido bardo, a gentileza de informar ao senhor Tiago Lessone, seja ele quem for, que olhei para baixo e, para minha grande surpresa e desinformação, lá estavam os meus pés, em número de dois, calçando sapatos pretos de tamanho 42, assentados tranqüilamente no chão do meu consultório, e mais abaixo, uma jaqueira que faz o incomensurável favor de nunca ter dado nenhuma jaca.
Peço-lhe, mais, que informe ao Lessone que não tenho nenhum tempo, nem disposição, para comparecer ao Humphrey’s”.


Dias depois, o dentista recebeu outra carta:

“Silvestre, você não deu importância à minha carta e não compareceu ao Humphrey’s. Sua história não lhe interessa? Segunda chance, amanhã, no Humphrey’s, às 13 horas. Olha para baixo!

Tiago Lesst.”

Havia uma grande mudança, logo percebida pelo Silvestre, pois o sobrenome, Lessone, fora trocado por Lesst. Pela segunda vez ele decidiu não fazer nada. Houve, mais tarde, uma terceira carta, recomendando, igualmente, que ele comparecesse ao Humphrey’s, mas a assinatura mudara desta vez para Tiago Lessfirst. Tudo muito esquisito...


Lessone, Lesst ou Lessfirst?


Silvestre pensou longamente nos três sobrenomes do Tiago, entendeu o recado e decidiu comparecer ao Humphrey’s na hora sugerida pela terceira carta. Para sua grande surpresa e desapontamento, no restaurante encontrou sua mulher abraçada com um amante.
Silvestre não é homem de grandes explosões, mas acabou separando-se da mulher.


O enigma

- Por que Silvestre atendeu à terceira carta?, eis o enigma, arrematou Alice, dirigindo-se aos presentes.

Pelo regulamento, os convidados tinham 30 minutos para desvendar a história. Houve, no início, muito palpite, desorientação e manifestações equivocadas. Depois, todos permaneceram em silêncio, e tão longa foi a pausa que tive a impressão de que ninguém chegaria à solução.
Quando já se encerrava o prazo, entretanto, Susana de Malta, que é tradutora juramentada e mora na Aristides, apresentou a solução do enigma:

- A instrução de olhar para baixo tinha a ver com o sobrenome cambiante. Tiago “Lessone” é Tiago sem “one”; Tiago “Lesst” é Tiago sem “T”; e Tiago “Lessfirst” é Tiago sem a inicial. Três informações na mesma direção, pois Tiago sem a inicial é Iago. Sim, Iago, a personagem pérfida que insinua para Otelo que Desdêmona tem um romance secreto com Cássio. Na tragédia de Shakespeare, Otelo acredita na intriga e, possuído pelo demônio do ciúme, estrangula Desdêmona e se suicida.

- Entendemos muito bem, ou seja, uma recorrência shakespeariana como forma de alertar sobre a mulher. Silvestre só entendeu, afinal, porque conhecia a obra de Shakespeare, o que significa que cultura, entre outras finalidades, também serve para alertar maridos traídos.

- Serve muito,
observou Alice. Silvestre teve mais bom senso que Otelo. Quero dizer, foi menos radical...

- Só que no caso do Silvestre a denúncia era verdadeira, ao contrário do que ocorre na tragédia de Shakespeare.

- Mais uma agravante contra Otelo. Esse Humphrey’s deve ser um lugar elegante...

- Sim, os clientes fazem as reservas com antecedência, o que permitiu as cartas antecipadas do Tiago sem T para o dentista. E tem mais...O Tiago sem T, se não for o gerente responsável pelas reservas, tem acesso a elas, nesse restaurante.

E o Peloponeso?

Tudo se encerrou depois de algumas projeções coloridas do conjunto arqueológico de Epidauro, um santuário situado a nordeste do Peloponeso. Com efeito, uma tertúlia de intelectuais.
Mas o Peloponeso, para que lado fica mesmo o Peloponeso?

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

UMA PALAVRA EXTRAORDINÁRIA

CORIOLANO ZIMBER entende do prefixo "extra"

O prefixo “extra” deve ser seguido de hífen, quando anteposto a uma palavra iniciada por vogal:

" extra-abdominal", " extra-escolar", " extra-intestinal", "extra-oficial", " extra-uterino".

Há, porém, uma gloriosa exceção: "extraordinário" não tem hífen.

Observação adicional

O prefixo “extra” é também seguido de hífen, quando anteposto a palavra iniciada por h, r ou s:


" extra-humano", " extra-regulamentar", " extra-sensorial".

A MÁQUINA PODE PENSAR?

O QUINTETO DE CAMBRIDGE

Escrito em 1998, o livro inglês "O Quinteto de Cambridge" ("The Cambridge Quintet"), de John L. Casti, discute se é possível construir uma máquina capaz de pensar. Controvertida desde muitos anos, essa questão dá ensejo a um debate que requer considerações técnicas, lógicas, éticas e biológicas.

O autor recua a discussão a 1949, num jantar imaginário que reúne, para além do escritor e anfitrião Charles Percy Snow, quatro dos mais importantes pensadores do século XX, a saber, Alan Turing, Erwin Schrödinger, Ludwig Wittgenstein e John Bourdon Sanderson Haldane, todos europeus.
Os argumentos são apresentados desde o aperitivo até a sobremesa, um enredo débil para o exercício didático de temas complicados.
O livro se destina a apresentar os aspectos da questão a um público não instrumentalizado com conhecimentos científicos e que
ainda hoje talvez faça as perguntas que Alan Turing respondia em 1949.


Os comensais

C. P. Snow: escritor inglês de temas voltados para a ciência, ele próprio formado em Física, um defensor de que a falta de comunicação entre cientistas e humanistas muito dificulta a solução dos problemas do mundo. Costumava mencionar que enquanto a maioria dos cientistas nunca leu Charles Dickens, a maioria dos humanistas não conhece a Segunda Lei da Termodinâmica.

Alan Turing: matemático inglês que idealizou em 1936 uma máquina teórica, conhecida nos meios científicos como a máquina de Turing, que seria capaz de calcular indefinidamente, repetindo a mesma operação com números diferentes, até que se verificasse como resultado desses cálculos alguma condição a ser verificada. A máquina só poderia interromper seus cálculos se alguma dessas tentativas confirmasse ou refutasse conjecturas não demonstradas, como o Último Teorema de Fermat e a Conjectura de Golbach. Turing trabalhou para os aliados, como decifrador de códigos alemães no Projeto Colossus,
durante a Segunda Guerra Mundial, e após se engajou na construção dos primeiros computadores.

Erwin Schrödinger: físico austríaco que em 1926 criou a Mecânica Ondulatória, considerada uma das mais bem-sucedidas teorias da Física. Dedicou-se depois ao estudo da célula viva, publicando os clássicos “O Que É a Vida?” (1943) e “Mente e Memória” (1956).


Ludwig Wittgenstein: filósofo austríaco, autor de dois sistemas filosóficos ligados ao estudo da interdependência que existe entre a linguagem e a lógica, o Tratado Lógico-Filosófico (1921) e a Filosofia da Linguagem Ordinária (1953).


J. L. S. Haldane: biólogo e matemático inglês, que na década de 1930 se notabilizou pelos seus trabalhos relacionados com o gene humano e pela sua teoria sintética da evolução das espécies.

Todos contra Turing


No jantar imaginário, Turing é o centro das discussões, defendendo, contra os outros comensais, a tese de que no futuro seria possível construir a máquina de pensar, como os seres humanos. Para ele bastariam memória e programas adequados, pois os obstáculos são tão-somente tecnológicos, ou seja, uma questão de ciência e engenharia.
Para os outros, entretanto, essa máquina hipotética apenas faria a mímica do ser humano, pois, sem vida nem inteligência, seria incapaz de sensações, de informalidade e de comportamento lógico e social.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

CONTESTAÇÕES IRÔNICAS

Refutando uma estatística:

“Existem as mentiras, as mentiras cabeludas e as estatísticas.”


Refutando uma hipótese:

“Com tantos “ses”, meteríamos o Himalaia dentro de uma lata de salsicha.”



Refutando uma previsão astrológica:

“A Astrologia é uma ciência natural com a qual ou sem qual o mundo permanece tal e qual.”

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

RETALHOS DO QUOTIDIANO (parte final: 26/26)

Epílogo

Depois de encerrada a pesquisa em resistência dos materiais, Laura deu um curso para alunos, não graduados, sobre campos eletromagnéticos, no qual se houve muito bem. Tanto que, vencido um período experimental de 12 meses, o King´s College lhe propôs um contrato de trabalho definitivo. Ou seja, tinha diante de si a perspectiva e oportunidade de construir uma carreira vitoriosa numa das mais conceituadas universidades do mundo.
Foi nesse ponto que ela voltou ao Rio de Janeiro, para três semanas de férias. Pensei muito, antes de propor-lhe que viesse para o meu apartamento, pois já não nos tratávamos como namorados. Ela, porém, aceitou o convite com muita alegria. Já no aeroporto, abraçou-me emocionadamente, e ambos nos pusemos a chorar.

- Você assinou o contrato definitivo, claro.


- Ainda não, pois pedi um tempo.

Senti que estava no epicentro dessa indecisão. Tínhamos muita coisa para construir, não separadamente, mas juntos - foi o que pensei naquele momento crucial. Posso errar, e erro muito mais do que o necessário, mas não por falta de iniciativa. Pelo sim, pelo não, decidi procurar o De Sitter.

- Aquele convite para a Laura ser professora de Física ainda prevalece?

- Agora e sempre, respondeu o chefe do departamento.

Eu estava disposto a pedi-la em casamento, nem que tivéssemos de ser um casal separado por mais de 10 mil quilômetros, que grande assim deve ser a distância entre o Canal do Leblon e a Trafalgar Square.
Naquele mesmo dia levei-a para jantar no Humphrey´s, o local preferido dos professores de Física.

- Estive hoje com o De Sitter. Ele me informou que o emprego de professor para você na Física está de pé.


- Que acha que devo fazer?


- Rejeitar a Inglaterra, aceitar a oferta do De Sitter e casar-se comigo.

Felizes

Professores ambos, estamos casados há dez meses. Nós nos entendemos, nós nos completamos e nós nos bastamos. Ou seja, somos felizes.

Reabilitação

Este relato ficaria incompleto se eu omitisse que a Western Energy Development, a WED, descobriu a prevaricação da turma de Sean Forthwhite e me enviou, no mês passado, uma carta com um pedido de desculpas e uma proposta para que eu reassumisse o emprego. Ah, enviaram-me também um cheque de R$ 261.120,00, tal a quantia correspondente ao bônus de participação que eu lhes havia devolvido, acrescido agora de juros remuneratórios.

Surpresa

Laura sempre me relata alguma coisa sobre sua passagem pela Universidade de Londres. Onde, no seu tempo, havia meia centena de brasileiros, muitos dos quais se reuniam duas ou três vezes a cada mês em algum bar da Oxford Street. Numas dessas reuniões Laura foi apresentada a May e por seu intermédio chegou a conhecer Kurtis e sua mulher. E esta era a empresária de modas Cecília Lafayette de Castro, não menos que a minha ex-mulher!
Kurtis casado com a Cecília, ora, pois, pois!
Sempre achei que Buenos Aires tinha sido determinante na minha vida! Bingo! Cecília e Kurtis se conheceram em Buenos Aires, durante um Congresso Mundial de energia!

Cecília

Uma cena que me vem sempre à mente é a do Kurtis, jantando, em Londres, com as três mulheres da minha vida: Cecília, May e Laura. Se ninguém acreditar, minha resposta há de ser:

- Tem gente que acerta na sena, sabia?

Está na hora de encerrar este relato, mas quero acrescentar um último ponto. Tenho, muito para mim, que há alguma conexão da Cecília com o escândalo do motel... Igualmente, justiça se lhe faça, com a minha indicação, pelo Kurtis, para substituí-lo no Departamento de Economia. Pois ela sempre prepondera, não erra, nem deixa vestígios.


FIM

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

ONDA OU PARTÍCULA?

Resposta para o comentário de Retalhando - Maria

Não devemos nos impressionar com as nossas dúvidas sobre a Física Quântica, em relação à qual nem os físicos profissionais costumam se entender. O maior expoente nesse campo do conhecimento, que foi o físico dinamarquês Niels Bohr, cunhou uma frase que se tornou célebre, mais ou menos na linha do que se segue:

- Quem não tem dúvidas, nem fica perplexo, não entendeu nada.

Embora eu seja tão-somente um curioso e diletante, pois físico não sou, atrevo-me a alguns comentários. A nossa lógica, a da realidade das coisas que são percebidas e a da necessidade de uma causa para explicar os fenômenos (tudo a ver com Aristóteles), não funciona no mundo das partículas subatômicas, exatamente onde prevalecem o muito pequeno e o muito veloz.

- Vejo um carro andando à velocidade de 60 km/hora como tal porque o carro é relativamente grande e relativamente lento.

Mas a lógica do realismo e da causalidade sucumbe no âmbito das partículas subatômicas, que são diminutas e se deslocam a velocidades anormalmente elevadas.


A luz

Começo dizendo que a luz é formada por fótons, partículas sem massa, mas com energia, emitidas pelos elétrons. Eu disse partículas, mas serão mesmo partículas?
Lembre-se que o ambiente agora é o subatômico.
Isaac Newton dizia que sim - são partículas, como grãos de areia, tanto que a luz de alta energia (ultravioleta), incidindo sobre um metal, desloca elétrons e produz o efeito fotoelétrico. Só uma partícula desloca outra partícula, como uma bola de bilhar chocando-se contra outra.
Não!, respondeu Huyghens, a luz é uma onda. Uma onda é uma linha sinuosa, uma cobra indo para cima e para baixo, configurando o que os matemáticos chamam de senóide. Pois, argumentava Huyghens, um raio de luz incidindo sobre um anteparo com dupla fenda (duas fendas próximas) passa pelas duas fendas, tanto que o observador vê um padrão senoidal de incidência da luz numa tela receptora, colocada para além do anteparo. Só uma linha poderia realizar essa façanha.
Discussão de duzentos anos. Quem estava com a razão, já que uma cobra nada tem a ver com um grão de areia? Isso mesmo, quem estava com a razão?

- Ambos!, gritou Einstein num dos seus célebres artigos de 1905. Pois a luz ora é partícula, ora onda.

- Como?

- Quem define se a luz é onda ou partícula é o observador. Na experiência do efeito fotoelétrico o observador, com seu aparato, está preparado para ver partícula; desse modo verá a luz funcionando como partícula. Na experiência da dupla fenda o aparato é para ver a luz funcionando como onda. Não dá outra: a luz é vista funcionando como onda.


As outras partículas

As surpresas não terminam nesse ponto. A tese de doutorado de Louis de Broglie, apresentada na França em 1924, tornou-se a mais famosa de todos os tempos, contribuindo decisivamente para o desenvolvimento da Física Quântica, ao postular que toda a matéria (e não apenas a luz) tem um comportamento ondulatório. Prótons, elétrons, nêutrons, neutrinos, bósons, mésons etc etc. Tudo, absolutamente tudo: ora partícula, ora onda.
Como se a natureza, nos seus fundamentos, tivesse dois modelos (quem sabe não tenha mais de dois!), dos quais apenas um poderá apresentar-se ao observador. Quando átomos e moléculas se reúnem para formar os corpos, estes com suas velocidades civilizadas com as quais se nos apresentam, aí então tudo se torna um modelo só, a partir do qual construímos nossa lógica.

- E tem mais, acrescentou Niels Bohr, quem vê partícula, não vê onda; quem vê onda, não vê partícula.

A afimação acima de Bohr configura o famoso Princípio da Complementaridade, da Física Quântica. O qual poderíamos tranqüilamente chamar de Princípio de Cecília Meireles, que não precisou de nenhum experimento fotoelétrico, nem de dupla fenda alguma, para estabelecer que só uma coisa prevalece:

- Ou isto ou aquilo!


Por que não?

Alguns físicos dizem jocosamente que há muitas histórias correndo paralelamente, mas só percebemos uma.
Numa delas nasci com o talento de Mozart e joguei futebol como Pelé.

segunda-feira, 6 de agosto de 2007

BARÃO DE MAUÁ, PIONEIRO DA INDÚSTRIA NO BRASIL

Fortuna, sabotagem e falência

Irineu Evangelista de Souza (1813-1889), o barão de Mauá, nasceu em Arroio Grande, no Rio Grande do Sul. Órfão de pai, veio para o Rio de Janeiro com a idade de nove anos, onde começou a trabalhar numa importadora da rua Direita, atual Primeiro de Março, como caixeiro e menino de recados.
Por seu talento, Irineu foi galgando posições dentro da firma, a ponto de se tornar o seu proprietário, e nessa condição construir um grande império comercial, financeiro e industrial, graças à sua extraordinária capacidade para antecipar oportunidades de lucro.

Percebendo a importância da Revolução Industrial, fundou o Estaleiro Mauá, no qual empregou mais de mil operários, que foi o responsável pela construção de 76 navios e pelos canhões que o Brasil usou na Guerra do Paraguai, para além de produzir caldeiras para máquinas a vapor, engenhos de açúcar, guindastes, prensas, armas e tubos para encanamentos de água.

Mauá criou companhias de navegação a vapor no Rio Grande do Sul e no Amazonas; em 1852 implantou a primeira ferrovia brasileira, entre Petrópolis e Rio de Janeiro, uma das primeiras ferrovias, no mundo, fora da Inglaterra. Executou também o trecho inicial da União e Indústria, entre Petrópolis e Juiz de Fora, a primeira rodovia pavimentada do Brasil.
Mauá lançou os cabos que dotaram o Brasil de telégrafo internacional e em 1854 implantou a iluminação pública a gás do Rio de Janeiro, cidade que também dotou de água e de gás canalizados.



Melhor do que Londres


O contrato para iluminação a gás do Rio de Janeiro, cujos lampiões antes queimavam óleo de cachalote ou de mamona, foi celebrado em 11 de Março de 1851 e tinha como exigência que a iluminação fosse melhor do que a da cidade de Londres.
No dia 25 de Março de 1854, os lampiões a gás iluminaram a Praça XV e as Ruas Primeiro de Março, Ouvidor, Rosário, Hospício, Alfândega, General Câmara e São Pedro.
Dois meses depois, todo o centro estava igualmente iluminado, com filas de lampiões que se estendiam até o Mangue.
Mauá achava que o dinheiro devia ser investido na produção, e não na especulação. Tinha muitos inimigos, por ser contra a escravidão, que proporcionava grandes lucros aos que investiam no tráfico e no comércio de negros, sendo também hostilizado pelos que viviam às custas dos juros bancados pelo Império. Como o contrato dos lampiões a gás falava em “iluminação melhor do que a da cidade de Londres”, os adversários fizeram uma campanha para denigrir o projeto, sendo exemplo o bolodório qualitativo e provinciano do jornal “A Ilustração Brasileira”, de 3 de abril de 1854:

“ninguém haverá que já tenha estado na capital da Inglaterra, que não conheça que nossos bicos de gás em vez de dar uma luz mais forte dão uma sensivelmente mais fraca.”


Falência

Mauá foi vítima de perseguições, calotes e sabotagens, que incluíram o incêndio criminoso do estaleiro, de ações governamentais deletérias e de perseguição dos tribunais. Tudo isso levou-o à falência em 1875.
Em sua “Exposição aos credores e ao público” (1878), Mauá atribuiu sua falência principalmente à hostilidade dos governantes uruguaios e brasileiros, que lhe teriam criado embaraços intransponíveis. Outra causa apontada foi a estranha decisão do Supremo Tribunal de Justiça, em 1877, que reconheceu o foro de Londres como o único competente para julgar sua ação contra a empresa inglesa S. Paulo Railway, por dívidas
não honradas, contraídas no Brasil, para construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí.
A justiça inglesa, sem se fazer de rogada, considerou prescrita a dívida, favorecendo a S. Paulo Railway e levando Mauá à falência.

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

A ESTABILIDADE PRECÁRIA DAS TEORIAS FÍSICAS

Nada é irremovível na Física

A Física é uma das manifestações mais transparentes e objetivas da nossa cultura. Seu escopo é investigar desde o infinitamente pequeno, no interior complicado do átomo, até o infinitamente grande, como na imensidão do nosso Universo de dimensões tão grandes como 15 bilhões de anos-luz; e desde as velocidades normais, que caracterizam os nossos movimentos mais corriqueiros, até a velocidade da luz no vácuo.
Uma boa teoria física é aquela que possui eficácia nas condições vigentes e segundo as finalidades pretendidas.
E, nessa condição, ela prevalece até ser substituída por uma teoria melhor. Nada, de fato, é irremovível na Física, a não ser sua capacidade de autoquestionar-se e de desentronizar suas próprias idéias.
Dois exemplos são típicos, o do flogisto e o das concepções cosmológicas.

Um químico alemão chamado George Ernst Stahl desenvolveu na segunda metade do século XVII a teoria de que os corpos haveriam de possuir internamente uma matéria chamada flogisto, ou flogístico, que era liberada durante a combustão. Stahl defendeu ainda que a oxidação dos metais envolvia perda de flogisto, ao passo que o aquecimento da cal viva devolvia-lhes o flogisto. Foi a descoberta acidental do oxigênio por Joseph Priestly, na segunda metade do século XVIII, que levou Lavoisier a fazer experiências que demonstraram que o ar contém cerca de vinte por cento de oxigênio e que a combustão é devida à reação da substância combustível com o oxigênio presente no ar. O flogisto não passava de uma fantasia.

Outro exemplo de substituição de teorias encontra-se nas concepções cosmológicas, desde a Teogonia de Hesíodo no século VIII a. C., substituída, sucessivamente, pelas concepções de Pitágoras, de Filolaus, de Aristóteles, de Aristarco de Samos, de Cláudio Ptolomeu, de Nicolau Copérnico e de Isaac Newton, até chegar ao moderno conceito de que o Universo resultou da explosão de um ovo cósmico, há cerca de 15 bilhões de anos, de acordo com um modelo "padrão", que resultou das observações astronômicas de Hubble e dos estudos de Friedman, Lemaître e Gamow, na primeira metade do século XX.


Coexistência de teorias

E, mais, duas teorias diferentes podem coexistir, às vezes sem nenhum problema. A mecânica clássica, embora sem a abrangência da teoria da relatividade, serve muito bem às nossas aplicações quotidianas; ninguém vai usar as equações de Einstein para calcular a distância percorrida em uma hora por um carro que se desloca à velocidade de 100 quilômetros por hora. Mas só a teoria da relatividade dá a resposta correta nas grandes velocidades e explica a real natureza da aparente atração entre corpos, que na realidade é devida a uma deformação do espaço pela matéria.
Outra coexistência interessante, e até surpreendente, relaciona-se à natureza da luz. Desde Isaac Newton acreditava-se que a luz era formada por partículas; outros, como Huyghens, entendiam que a luz era uma onda. Ambos os lados baseavam-se em argumentos sólidos e convincentes. Onde estava a razão, já que partículas e ondas são entidades tão diferentes como abóboras e elefantes? De nenhum lado e de ambos, responde hoje a Física quântica, pois a luz é, a um só tempo, onda e partícula.


Aproximações sucessivas

A natureza ama esconder-se, afirmava Heráclito quinhentos anos antes de Cristo. A localização dos esconderijos da natureza pela Física é um permanente exercício de aproximações sucessivas. A verdade do futuro pode não ser a verdade atual, tanto quanto a verdade atual não é a dos nossos antepassados. Pois para a Física não há textos sagrados, dogmas ou verdades irrefutáveis; as coisas, no dizer de Richard Feynman, devem ser aprendidas para serem desaprendidas de novo ou, muito provavelmente, para serem corrigidas.

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

RESTA O QUÊ?

Vazio


A poesia fugiu do mundo.
O amor fugiu do mundo —
Restam somente as casas,
Os bondes, os automóveis, as pessoas,
Os fios telegráficos estendidos,
No céu os anúncios luminosos.

A poesia fugiu do mundo.
O amor fugiu do mundo —
Restam somente os homens,
Pequeninos, apressados, egoístas e inúteis.
Resta a vida que é preciso viver.
Resta a volúpia que é preciso matar.
Resta a necessidade de poesia, que é preciso contentar.

AUGUSTO FREDERICO SCHIMIDT (1906-1965)


quarta-feira, 1 de agosto de 2007

RETALHOS DO QUOTIDIANO (parte 25/26)

Seguindo o meu destino

Senti que minhas aulas agradavam, pois, assistidas inicialmente somente pelos alunos, passaram a ser freqüentadas por outros professores da Economia e até por professores de outros departamentos. Isso me estimulava a trabalhar cada vez mais, aumentando minha capacitação para fazer cálculos econômicos, decidir em regime de incerteza e negociar contratos de risco.
Eu escrevia apostilas para uso dos alunos, que se somavam aos livros que escolhia cuidadosamente e indicava como textos básicos. Minha intenção era desde então transformar essas apostilas, que fui aprimorando gradativamente, em livros a serem publicados comercialmente.

Minhas conquistas

Sigo o destino que me é imposto, mas, convenhamos, sempre faço força para aproveitar as oportunidades que as circunstâncias me oferecem. Terminado o semestre, com efeito, fui efetivado com salário de professor titular. Viva eu cá na Terra sempre a merecer minhas conquistas! Pequenas, é verdade, mas, ainda assim, conquistas.
Desliguei-me definitivamente da Física, mas tive o cuidado de procurar Ignácio de Sitter, Rafael Lemaitre e Maria Hoyle para depor-lhe o meu agradecimento pela acolhida generosa que me deram nas três semanas do nosso convívio.
Não posso deixar de reconhecer que a Física, mesmo indiretamente, muito contribuiu para que eu ascendesse à minha nova posição e igual importância dou ao congresso de Buenos Aires.
Seja como for,
eu me tornara um professor de verdade e não era mais um Al Pacino desempregado, a sonhar com Albert Einstein e seus cartões de visitas.

Laura e eu

Continuávamos ligados pelos momentos de ternura, mas nos emails freqüentes só tratávamos das nossas respectivas caminhadas profissionais. Era certo que ela fazia uma carreira vitoriosa no King’s College, a serviço da resistência dos materiais e da Mecânica Vibratória, restando bem implícito que nossas trajetórias eram divergentes e até irreconciliáveis.
Os êxitos recíprocos nos separavam. Não me surpreenderia se algum dia ela viesse com a notícia de que iria se casar com algum cavalheiro inglês numa igreja de Londres. Tudo que me cabia era esperar que não fosse nenhum membro ocioso da Família Real!
Não tive vontade de me aproximar de outras mulheres, pois, no fundo, isso me parecia um ato de deslealdade, uma aleivosia, sei lá.

May e Kurtis

Certo dia, conversando sobre amenidades, Estênio Florão pôs-se a elogiar o Kurtis, para ele uma pessoa de qualidades excepcionais. Àquela altura até eu tinha simpatia pelo cujo,
que me legara suas cadeiras na Economia. Melhor que isso, ele me indicara como seu substituto!

- Saindo da Universidade, mudou-se para a Inglaterra, levando consigo uma sobrinha egiptóloga.


- Sobrinha egiptóloga? Era casado com ela?

- Não, não. Ele casou-se recentemente com uma empresária, mas não cheguei a conhecê-la. A sobrinha, que também não conheci, aproveitou a mudança do tio para fazer um PhD na Universidade de Londres. É tudo que sei.


Ora essa! May era sobrinha do Kurtis, não sua amante, e estava estudando em Londres!
Que coincidência! Fazia mais sentido... Fosse o que fosse, isso não tinha a menor importância, pois May deixara de ser importante para mim.
Como pode? Minhas duas últimas namoradas estavam ambas na Universidade de Londres!
(continua)

segunda-feira, 30 de julho de 2007

CHAMPOLLION

Hieróglifos

A escrita hieroglífica do antigo Egito foi decifrada pelo exame da pedra de Roseta, na qual se encontrava um texto grafado em três versões, hieróglifos, demótico e grego.
Essa pedra foi descoberta num local situado a 30 quilômetros de Alexandria, em 1799, por Boussard, um dos sábios franceses que acompanharam Napoleão ao Egito.
A escrita demótica, que era uma forma simplificada de hieróglifos, tinha sido adotada em torno do ano 700 a. C. e vigorou até a chegada dos romanos ao Egito. O texto reproduz um decreto do corpo sacerdotal do Egito, de 196 a.C., conferindo honras ao rei Ptolomeu V Epifânio (205 a 180 a.C.), como retribuição por benefícios recebidos.


Disputa


Muitos pesquisadores tentaram decifrar os hieróglifos tomando por base a pedra de Roseta.
O mais bem sucedido foi
Jean-François Champollion (1790 - 1832), um genial lingüista francês que conhecia pelo menos 12 línguas, incluindo o copta, que sucedeu o egípcio antigo. Comparando, na pedra de Roseta, as escritas demótica e hieroglífica com sua versão em grego, Champollion decifrou os hieróglifos em 1822.
Numa verdadeira disputa com Champollion, o médico britânico Thomas Young
propôs em 1823 uma segunda versão do alfabeto egípcio.
Defensores de uma e de outra solução enfrentaram-se durante quatro décadas.
A questão se definiu em 1866, quando um novo texto hieroglífico foi encontrado, o Decreto de Canopus, de autoria de Ptolomeu III Evergeta, de 237 a. C. O decreto, que impunha uma reforma do calendário para introduzir o ano bissexto, foi decifrado de maneira conclusiva com o auxílio do sistema de Champollion, não remanescendo desde então nenhum espaço para dúvidas ou contestações.
Champollion já estava morto, desde 4 de março de 1832.



Onde está a pedra

Com a derrota de Napoleão no Egito, a pedra de Roseta tornou-se propriedade da Inglaterra, nos termos do Tratado de Alexandria, de 1801, bem como outras antigüidades que os franceses haviam localizado naquele país.
Desde 1802
a pedra de Roseta encontra-se no Museu Britânico, em Londres, que existe desde 7 de junho de 1753 e é o mais antigo museu público do mundo.

sábado, 28 de julho de 2007

AMOR DE PAI, FAGUNDES VARELA

Alguns versos do poema Cântico do Calvário

(À memória de meu filho
morto a 11 de dezembro de 1863)

Eras na vida a pomba predileta

Que sobre um mar de angústias conduzia

O ramo da esperança. Eras a estrela

Que entre as névoas do inverno cintilava

Apontando o caminho ao pegureiro.
Eras a messe de um dourado estio.
Eras o idílio de um amor sublime.

Eras a glória, a inspiração, a pátria,

O porvir de teu pai! Ah! no entanto,

Pomba, varou-te a flecha do destino!

Astro, engoliu-te o temporal do norte!

Teto, caíste! Crença, já não vives!

Oh! filho de minh'alma! Última rosa

Que neste solo ingrato vicejava!

Minha esperança amargamente doce!
Quando as garças vierem do ocidente

Buscando um novo clima onde pousarem,
Não mais te embalarei sobre os joelhos,

Nem de teus olhos no cerúleo brilho

Acharei um consolo a meus tormentos!

Não mais invocarei a musa errante
Nesses retiros onde cada folha
Era um polido espelho de esmeralda

Que refletia os fugitivos quadros

Dos suspirados tempos que se foram!

Cegou-me tanta luz! Errei, fui homem!

E de meu erro a punição cruenta

Na mesma glória que elevou-me aos astros,

Chorando aos pés da cruz, hoje padeço!
Oh! quantos reis que a humanidade aviltam,

E o gênio esmagam dos soberbos tronos,

Trocariam a púrpura romana

Por um verso, uma nota, um som apenas
Dos fecundos poemas que inspiraste!
Inda te vejo pelas noites minhas,

Em meus dias sem luz vejo-te ainda,

Creio-te vivo, e morto te pranteio! ...


FAGUNDES VARELA (1841 - 1875)

quarta-feira, 25 de julho de 2007

RETALHOS DO QUOTIDIANO (parte 24/26)

King´s College: Quatro Prêmios Nobel de Física

Para além dos nossos momentos inesquecíveis, ficaram-me da Laura apenas um resumo da teoria da relatividade e um arrazoado que produziu sobre Shakespeare. Confortou-me a idéia de que daquela data em diante ela pesquisaria sobre tudo isso na própria Inglaterra, sem ter de consumir boa parte do seu salário na importação de livros a câmbio desfavorecido.
Uma semana após sua partida, ela me escreveu, dando conta de que estava se sentindo muito bem no Departamento de Física do Kings College, que tem reputação internacional e recebe profissionais de todas as partes do mundo. Seu trabalho seria inicialmente numa pesquisa sobre resistência de materiais, que interessava à cadeira de Mecânica Vibratória, da qual inicialmente seria assistente e, depois, professora adjunta.

A carta terminava mencionando quatro professores do Kings College laureados no século XX com o Prêmio Nobel de Física, a saber, Charles G.. Barkla, em 1917, pelos seus trabalhos sobre raios-X; Owen Richardson, em 1928, pelo seu trabalho sobre emissão termiônica; Edward Appleton, em 1947, pelo seus estudos sobre a atmosfera; e Maurice Wilkins, em 1962, que dividiu o prêmio com James Watson e Francis Crick, pela determinação da estrutura do DNA.
Das próximas vezes, acrescentou, poderíamos nos comunicar por email, quando ela tivesse se organizado minimamente e dispusesse de um computador. Respondi imediatamente, garantindo-lhe que ficaria torcendo para que fosse para ela o quinto Prêmio Nobel do King’s College, o que, sobre aumentar o prestígio da Universidade de Londres, haveria de deixar mais alegre e mais aquecido este meu peito solitário.

L’oiseau vole

Todos os desenlaces deveriam ser serenos e gentis, assim, pois as partes ficam com saudades recíprocas e nenhum ódio no coração. Tudo bem... Mas, resumindo tudo numa única e dolorosa palavra, eu estava só mais uma vez. Com a Cecília, vencera - nos o tédio; com a May, nem sei direito, tudo ruiu no âmbito de uma confusão para lá de inexplicável; com a Laura, separou - nos o vôo do pássaro, na busca do seu destino.
L’oiseau vole, como no conto do Maupassant.

Liberado da Física


Logo vi que não poderia acumular meus encargos de professor com as tarefas do Departamento de Física e, um mês depois de iniciada a minha carreira na Economia, procurei de Sitter e lhe pedi para congelar meu curso no Departamento de Física, até que minha situação se definisse.


- Sinto que você vai abandonar a Física.

- Somente se me tornar professor da Economia. Preciso de uma pista de pouso, para o caso de interromper o meu vôo.

- Recebi do reitor instruções para facilitar a sua vida, pois a universidade tem interesse nesse vôo. Quando quiser voltar, o departamento estará à sua disposição.

Foi assim, de modo civilizado, que de Sitter me liberou, sem se opor a um eventual retorno para retomada do meu curso, assim interrompido, se fracassasse a tentativa no outro departamento.
(continua)