sábado, 3 de setembro de 2011

A ESCOLHA (parte 3/4)

Hawthorne me alcançou

Fora da efervescência da fábrica, não mais que um alabama, eu tinha atribuições periféricas e modestas. Mesmo assim eu me senti engajado no projeto, um pequenino vetor ajudando na composição da resultante. Estava disposto a suar a camisa.

Audrey Hepburn, nenhuma contra-indicação

Eram duas dezenas de títulos a serem defendidos.
Visitava os médicos e farmácias de diversas cidades, distribuía amostras dos remédios e recitava seus usos e propriedades. Para cada um dos vinte produtos, a posologia, as reações adversas, as contra-indicações e os procedimentos recomendados em casos de superdosagem. Nunca me esquecerei do produto mais indicado para a profilaxia e tratamento dos distúrbios circulatórios periféricos, vertigem, zumbido, nistagmo, náuseas e vômitos. Ou do creme a ser usado nas manifestações cutâneas decorrentes de sifílis, tuberculose e infecções fúngicas, bacterianas ou viróticas.

- Se o caso for de prisão de ventre, temos a solução: supositório de glicerina.


Cautela obsoleta

Inicialmente couberam-me Araçatuba, Birigüi, Lins e adjacências, no interior de São Paulo. Atuei depois em Teresópolis, Magé, Guapimirim e na região que começa em Petrópolis e se estende até Leopoldina. Coloquei força na coisa e me dei bem. Na festa anual da companhia, que se celebrava no feriado de 7 de setembro, fui chamado ao Rio de Janeiro pelo doutor Eurico, o vice-presidente da companhia, que elogiou o meu trabalho com inesperada veemência. As vendas nas cidades onde eu atuava, antes infensas aos nossos produtos, alcançaram níveis que excediam todas as expectativas.
A diretoria decidira contemplar-me com duas mil ações da companhia.

- Um prêmio pela sua produtividade, disse-me o doutor Eurico. Se nossas ações já fossem negociadas no mercado, estariam bastante valorizadas com essa avassaladora alta dos papéis em bolsa.

Naquele momento lembrei-me das 49 ações da Vale. O vice-presidente me informou que na véspera o meu papel estivera cotado a 41 dólares. Ou seja, podia vendê-las por cerca de dois mil dólares, uma achega nada desimportante ao meu orçamento de caixeiro-viajante.

IBOVESPA

Foi por isso que no dia seguinte procurei uma corretora de valores no centro da cidade. Lauro Chometon atendeu-me com muita cortesia e profissionalismo, mas jogou um balde de água fria nas minhas pretensões de realizar o capital: a cautela das minhas ações estava desatualizada, e eu teria de levá-la ao departamento de acionistas da Vale, ali na rua Santa Luzia, para trocá-la por outra que fosse aceita pelo mercado. Não o fiz, pois viajei imediatamente para trabalhar a praça que compreendia Muriaé, Governador Valadares, Teófilo Otoni, Vitória da Conquista e arredores. Foram seis meses de trabalho duro, mas profícuo. Graças ao meu desempenho, as vendas na região subiram quase trezentos por cento.

Muriaé
Ostentação autorizada

Eu recebia seguidos telegramas de congratulações do doutor Eurico, que me recomendou que me hospedasse no melhor hotel de cada cidade visitada.
Sentia-me alcançado pela experiência de Hawthorne, pois auferia um tratamento à altura do meu rendimento. Recebendo uma generosa diária que em muito ultrapassava as minhas necessidades, assumi uma vida de ostentação autorizada, tinha amigos importantes e era assediado por moças ricas e bonitas. Confesso que cheguei a bendizer o fato de haver sido arrolado para testemunhar o assassinato do juiz, pois aquela gerência dos aparelhos de televisão só tinha servido para retardar o meu encontro com a bem-aventurança. Comissões cada vez maiores eram depositadas na minha conta bancária no Rio de Janeiro. Eu antevia, no 7 de setembro seguinte, o doutor Eurico a me entregar mais ações da companhia, que guardaria como troféu junto da cautela da Vale, dado que não tinha como negociá-las, nem disso tinha a menor necessidade.

Carro do ano

Com menos de trinta anos ninguém pensa no futuro: confesso que tinha ouvido falar em letras imobiliárias ou coisa parecida, mas só muito depois tomei conhecimento da existência de cadernetas de poupança, que rendiam juros e correções monetárias.
Nada disso se situava no meu horizonte, nem tinha relação com os meus procedimentos.

Elisinha

- Pela primeira vez posso frequentar os melhores clubes, comer nos bons restaurantes e, se me der vontade, dirigir um carro do ano, foi o que pensei quando voava para merecidas férias no Rio de Janeiro. É verdade que também pensava na Elisinha.
(continua)

Um comentário:

Gina do Grajaú 5.5 disse...

Internauta viajando por este blogger encontrei esta homenagem ao Caixeiro Viajante onde meu avô em Leopoldina residia. Exercia esta profissão que dava lucro ao ponto de sustentar duas familias.Cada estação e cidade que parava tinha uma amada a esperá-lo; e minha avó sonhando em Leopoldina. A estória continua ainda hoje em outras facetas, mas bem feito pelo contador de história, marcas dos idos tempos de 1900. Muito bom.