sábado, 29 de março de 2014

NÃO FAZER PIOR

SONETO 84
 

- Nostradamus nunca falha...

Percy sonhou com Nostradamus, que, envolto em densa névoa, a ele se dirigiu com voz solene e cavernosa:

- Abra ao acaso os sonetos de William Shakespeare e lucre monetariamente.

Ótimo, pensou ao acordar, pois estava precisando de dinheiro. Por sorte, tinha o livro de Shakespeare na estante. Seguindo à risca a instrução de abri-lo ao acaso, após um pequeno ritual chegou ao soneto 84. Um amigo ofereceu-se para traduzi-lo, aquela coisa de “não fazer pior aquilo que a natureza fez tão claro.”

- Não fazer pior aquilo que a natureza fez tão claro. Entendeu?

- Não entendi nada.


Durante dias consultou seus amigos e conhecidos, sem conseguir decifrar o enigma. Já pensava em desistir, quando encontrou na porta do apartamento um bilhete que dizia:

- Touro, 84 é touro!

Percy não se permitiu fazer pior o que a natureza fez tão claro: jogou no touro e acertou, obtendo o dinheiro do aluguel.

sábado, 22 de março de 2014

ENFORCAMENTO DEPOIS DA SURPRESA

 IMPOSSÍVEL


Conta-se que um homem foi condenado à morte, por enforcamento. O juiz, exigente e rigoroso, estabeleceu na sentença que o enforcamento deveria ser executado exatamente ao meio-dia de um dos dias úteis da semana seguinte (qualquer dia, de segunda-feira a sexta-feira), com a condição de que o condenado só soubesse o dia da execução na manhã do enforcamento.

- Surpresa quanto ao dia do enforcamento é parte da sentença.

- Entendo, disse o carasco: na semana que vem, às 12 horas de um dia útil e de surpresa.

- Nenhuma dessas condições pode ser violada.


 
O condenado, que era muito inteligente, deu-se conta de que a sentença não poderia ser cumprida e pediu ao carrasco que viesse à sua cela.

- Como assim?, perguntou-lhe o carrasco.


- Não posso ser executado na sexta-feira, pois, se isso ocorrer, saberei que esse será o dia da execução desde a tarde de quinta-feira, contrariando a sentença do juiz. Pois, se não for executado até o meio-dia de quinta-feira, o enforcamento só pode se dar na sexta-feira, sem a surpresa matinal requerida na sentença.

- Entendo. Na sexta-feira, estaríamos descumprindo a sentença. E nos demais dias?

- Da mesma forma, não posso ser enforcado na quinta-feira. Pois, nesse caso, saberei o dia da execução desde a tarde de quarta-feira, pois restarão somente a quinta-feira e a sexta-feira. Já excluímos a sexta-feira, pelo que a execução só poderia ser na quinta-feira. Mas isso saberei desde quarta-feira, contrariando a sentença do juiz.

- Certo, certo.

- Com igual raciocínio, veríamos que não posso ser executado na quarta-feira, pois isso saberei desde a tarde de terça-feira, quando na semana restarão somente a quarta, a quinta e a sexta-feira. Mas quinta e sexta-feira estando já excluídas, conforme vimos, restará apenas a quarta-feira e estarei sabedor disso desde a terça-feira, no total descumprimento da sentença.

- Com esse raciocínio, vamos concluir que o senhor também não poderá ser enforcado na terça-feira.

- Exatamente. Restaria a segunda-feira para o enforcamento, o que estou sabendo desde já. Onde a surpresa?

- É... Como posso resolver esse problema?

- A única solução é não haver nenhum enforcamento.

Levada a questão ao juiz, este cancelou o enforcamento como preito à inteligência do prisioneiro.


sábado, 15 de março de 2014

Singularidades

HONORIFICABILITUDINITATIBUS


A mistura impossível de Relatividade e Física Quântica
Recua no tempo e converge para o Big Bang,
O qual tudo acomoda, constrangendo todas as teorias.
Trata-se, como dizem, de uma singularidade,
De muita gravidade e pouca conversa,
Onde o espaço, envergonhado, põe-se a ferver,
E as hipotenusas ficam abraçadinhas com seus catetos.

Já me alertaram, porém, que nada se perde,
Nada se cria, tudo se transforma.

Avassalado pelo espetáculo soberano da Natureza,
Não vislumbro a Nebulosa de Andrômeda,
Odeio a precessão dos equinócios
E tudo que sei vem da Segunda Lei de Newton.
Desentendo com competência o grande, o pequeno e o veloz,
Mas tenho pena e medo dos buracos negros,
Que tudo sabem, mas não dizem coisa alguma, 
Eles que são consumidores de informação.
Dizer o quê? Honorificabilitudinitatibus...